O mistério da Trindade

Orar-a-Deus

Por Leonardo Boff

Face ao mistério humano cabe respeito e veneração. Face ao mistério de Deus, vale tudo isso e ainda a fé. Crer é muito mais do que aceitar a existência da Santíssima Trindade. (…) É ainda mais do que aceitar as afirmações de Jesus e os Apóstolos nos fizeram em nome da Trindade (…) e sobre a Trindade.

Crer significa fundamentalmente entregar-se ao Pai o Filho e o Espírito Santo, confiar a vida, a caminhada e a morte ao mistério de comunhão que nos aconchega e realiza infinitamente. Crer, nesta visão abrangente, implica um modo de ser; é menos refletir sobre o mistério do que deixar-se tomar por ele, é envolver-se na dinâmica de sua revelação, é entrar em comunhão com a vida divina trinitária.

Assim como para entender a musica precisamos de ouvido, para entender a arte de senso estético, assim ocorre com o mistério: necessitamos da fé que nos coloca naquela posição que faz sentido falar de mistério da comunhão do Pai, do Filho e do Espirito Santo como sendo um único Deus.

A razão não intenciona esvaziar o mistério, mas apropriá-lo à existência humana. E quanto mais profunda as dimensões do Divino, mais  se abre o horizonte do mistério. Deu não é um mistério passageiro, para a situação terrena das pessoas, deixando de sê-lo na eternidade. Deus (assim como a pessoa humana e a história das coletividades) é um mistério sem si mesmo, também pela eternidade a fora.

O mistério é mais do que uma verdade revelada; mistério é Deus, Pai, Filho e Espírito Santo, entrando na criação, passando por suas negatividades, resgatando-a da rebelião do pecado e integrando-se na sua comunhão eterna.

In: A Trindade e a Sociedade – Leonardo Boff, p. 247